quarta-feira, 31 de março de 2010

Confessionário - Parte 3


    Por que o pensamento feminino é diariamente posto em cheque, sendo injustamente julgado como incompreensível e complicado?
    "Sei que não somos os seres mais amigáveis numa crise de TPM ou pós festas de fim de ano. Engordamos nesses dois períodos e o resultado é sempre desastroso, o que não significa dizer que os homens estão isentos de culpa pelo estado emocional negativo da gente. Eles olham para a garota do lado, reparam nossas gordurinhas e ainda dizem 'prefiro você assim!'. Baah! Mas que droga! E quem disse que eu SOU gorda? São apenas uns quilinhos que me assolam!"
                    Trecho extraído do livro ainda em construção 'G2'- Karlla Vierbrunen
Ha Ha Ha! Que mulher nunca se viu num relato desses?
Engraçado que ontem mesmo eu estava conversando com uma amiga, sobre isso. Ela me contava que seu marido tinha uma predileção por mulheres cheias, voluptuosas, e que ela é, de fato, o oposto disso: magra e baixinha. Dificil saber como ela mantém a chama dos primórdios da instituição de HxM acesa, posto que seu físico não coaduna com o esmeraldino gosto de seu marido. No fim da conversa, chegamos a uma conclusão interessante...
Homens e mulheres nunca vão se entender em tudo. Ela cozinha bem, ele faz uma massagem gostosa, mas nunca vão saber de fato porque cargas d'água se amam tanto, haja visto que seus semblantes, gostos e anseios na maioria das vezes se diferem.
Sendo assim, chega desse papo que mulheres são de vênus e os homens são da europa! Temos características diferentes, a começar pelo físico e é justamente essa sutil hein? diferença que nos torna tão especiais!
Vive l'amour!

terça-feira, 30 de março de 2010

Heil meil Füher


   O perigo que se instaurou há 63 anos na Alemanha foi fruto de uma sociedade tal qual a nossa nação tupiniquim hodierna: uma nação as margens do sub-desenvolvimento ante suas vizinhas, ansiosa por mudanças e carente de atenção e amor. Acreditaram num vendedor de bíblias e dono de uma oratória invejável, desenvolvendo então uma espécie de consumação do fim. O Füher não somente destruiu o sonho alemão de evolução como instituiu uma sub-raça, julgando-a inferior ao ponto de liquidá-la. 3.5 milhões de Judeus foram queimados ou mortos nos campos de extermínio. Hitler não somente acreditava no que dizia como também convencia os demais com a mesma destreza, tanto que seus compatriotas começaram então a encarar seus patrícios de maneira bem mais enfezada, salvo poucos alemães que viam no discurso de Hitler, algo como demoníaco. A benfazeja disfarçada de Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães acarretou num dos maiores massacres já catalogados em nossas enciclopédias e memórias, perdendo somente para as cruzadas bizantinas e guerras Americanas por um pênis maior. Quando assistimos aos embates políticos de hoje, não vemos mais a veemência típica de outrora, como também não sentimos mais um pingo de verdade nas falas. ORA, fica a pergunta:
Melhor um líder convincente e facista ou um 'meia boca' democrata?
A evolução não se dá sob nenhuma dessas duas formas.

Coisas toscas


Nada consegue ser mais patético do que dois torcedores do 'framengo' conversando.
Um, com seus 32 anos, quatro passagens pela polícia e casado pela terceira vez com mais  uma empregada doméstica [nada contra a profissão!] tenta convencer Clobesnildo, o segundo e mais novo,  25 e ex-traficante, membro chefe da Igreja do Príncipe da Paz Universal , da condição de Penta campeão do time de seus corações. 

-A gente somos 'équiça', porra!
-Num é 'équiça' não! É éxiça!

Claudismano, o primeiro, diz que o todo poderoso time rosado paulistano, na verdade é o verdadeiro 'Hexa' e que o Flamengo só tem 5 títulos.

-Tá maluco, parceiro? O fra tem '6 titulo'
-Num tem não, cara! Em 1987 o 'campião' foi o 'Ispórte' de Recife
-Isso é o que eles 'diz'. Aqui no Rio quem manda é a gente e a gente ganhamos essa parada também!
-O são paulo é qui é o 'équiça' do brasil.
-Tá maluco, Claudismano? Tá cheirando muito pó errado, cara! Você tem que ir lá na igreja conversar com o Pastor Jerisbel. Ele me 'inxplicou' tudinho sobre essas droga! E outra, eles são 'équiça' sim, mas os 'équiça-gay!'

E Clobesnildo cai na risada.

De repente, Claudismano aponta para Clovesnildo, todo receoso, esperando que o amigo veja a cena que se passa ao lado...

-Clobesmano, cara, olha ai do teu lado!!
-O que? Uma tchutchuca?
-Quem dera, olha!!
-Arghh cara, dois maluco se beijando!
-E voc-voc-você já viu a camisa dele, po??

Clobesmano percebendo que esse vestia o manto sagrado do todo poderoso time das bixas traficantes império rosado travesti alado, começa a gaguejar, e sai de fininho, dizendo ter um encontro com o Pastor.

-Vou lá ter um papo com o Pastor Jerisbel. Vou trazer ele aqui. Esses maluco precisam conhecer a palavra!
-É, acho que eu vou com você, então!
-Que bom, cara! Tu quer conhecer a palavra?
-Não! Quero ver se o Pastor me descola um serviço de 'ombreiro'. Tô no osso faz uns meses sacoé? Preciso de um trampo na maior!


Coisa de Flamenguista

sexta-feira, 26 de março de 2010

Nardonis e Cembranellis de cada dia...

Hoje cheguei em casa, liguei o computador e escolhi uma bela canção do U2 para divagar. 'Miss Sarajevo' o nome dela. Enquanto a melodia inebria meu inconsciente, ouço vindo da sala, noticias sobre o caso da garota Isabella Nardoni e logo o Pavarotti é posto de lado, ante a gravidade do assunto: um crime bárbaro, que abalou não somente a opinião pública como os alicerces familiares da nação tupiniquim. É fato que as provas incriminam Alexandre e Anna jatobá e para saber disso não é necessário ser bom em leis ou preceitos éticos: precisa-se apenas analisar o conjunto de ações. Com relação a isso não há o que se contestar. O que me preocupa de verdade é como o brasileiro avalia uma situação, e em seguida, toma posse dos direitos para julgá-la. Ora, o pai arremessou a garota pela janela ainda com vida? SIM! E ele merece ser punido por isso? Sim! Mas cabe ao ordenamento jurídico essa sentença e não, a mim, você ou ele e ela. Eu fico impressionada com a quantidade de juizes de Direito e promotores sem diploma espalhados no Brasil julgando o destino do casal de maneira mais horrenda do que o crime em si o qual são acusados. É fato que Alexandre Nardoni e Anna Jatobá mataram a garota Isabella, mas, há de se observar também que esses são dois seres humanos e como nós, sujeitos à falha. Todos os dias, arremessamos garotas de 5 anos pela janela e se você for hipócrita o suficiente para dizer que não, baixe a 'crina' e se 're-avalie'. Milhares de crianças pobres são abandonadas à margem do crescimento global, e elas estão morrendo para que o mundo 'evolua'. Eles passam fome e morrem de forma bem MAIS BÁRBARA, como fome, drogas e prostituição. Com isso não quero atenuar a situação hedionda como a pobre criança Isabela foi morta, mas sim, mostrar aos que hoje desejam pena de morte para ALEXANDRE  e ANNA JATOBÁ que todos os dias nós também arremessamos crianças ao caos, a miséria e a falta de futuro. Antes de acusa-los, se acuse! Deixemos para o Cembranelli, para a comissão do Juri e para aquele que realmente tem o direito de julgá-los: Deus! A todos nós, só nos resta O DEVER de preservar o bom senso e a atenção para os menos favorecidos. Deixemos de hipocrisia, pois quando tratamos com indiferença esse casal, criamos um celeiro para que mais 'alexandres' surjam. Quem acompanhou esse caso sob um prisma jurídico obviamente saberá que o clamor popular  influencia a sentença do caso,e se não fosse por isso, talvez a condição financeira dos dois dispusesse uma punição mais branda. Esse caso é emblemático sim, mas, está na hora do brasileiro parar de ter mente curta, e se lembrar também do que diariamente arremessa pela janela.

quarta-feira, 24 de março de 2010

O perigo de gostar da preferência masculina!

  Eu estava sozinha cá com meus botões Louis Vitton a pensar, e de repente, surgiu uma dúvida: Quem diabos inventou o futebol finalmente? Os Maias ou aquele inglês lá? Isso é irrelevante, claro! O Brasil  foi quem dominou a arte.
E quem foi, que por medo ou sei lá o que, ditou que a pelota nos pés é coisa exclusivamente dos cuecas? Não podemos curtir o esporte por que? Ciúme ou medo da concorrência?
E ainda dialogando com meu francês predileto sobre as artes bem desempenhadas por brasileiros   [o machismo],  surgiu-me outra questão: Quem inventou o sexo? Eu não falo do coito em si, mas da arte de sublimar a procriação, inserindo todo o êxtase de se tornar um, mesmo esse balé sendo formado por dois? Complicado né?
Há quem diga que não! Hoje ouvi uma das maiores barbáries já escutadas por minhas pequenas orelhas: mulher ou é vadia ou é santa! Gente do céu em que século vivemos? 
  A mulher precisa ser casta ou promiscua para assim, poder ser classificada como 'pra casar' ou 'para ...' ? E onde ficam nossos desejos, anseios e vontades? É fato que os homens se casam com as virgens, e essas se acham superiores por isso. Dai, em contrapartida, são as devassas, as responsáveis pelos divórcios e atrasos no fim do expediente. Isso já existe desde que o mundo é mundo.
E a solução dona vierbrunen? Qual é?
Que tal se acabasse essa ditadura, de exigir da mulher uma santidade imbecil e inócua? Se falamos de sexo, somos vadias! Se não falamos, somos pudicas!
Bullshit! Mulher curte sexo tanto quanto homem. A diferença é que ela inclui um item que deveria ser de série mas não é: AMOR! 
É, amor... 
Quando vejo um homem cantando suas glórias e vantagens em cima das mulheres, repudiando envolvimento  e/ou sentimento, logo sei que se trata de um potencial mal amado rejeitado e frustrado! Ora, e como sei?
Psicologia reversa, minha gente!
Geralmente tendemos a negar com ênfase aquilo que mais queremos e isso não sou eu quem afirmo: É Freud.
[E é f*** de aturar essa dor de ter que assumir mesmo que somente para si, a dor de gostar daquilo que mais odiamos!]
Sendo assim, peço a vocês nobres seres 'falísticos' que entendam a sutil diferença entre Ninfomania e libido feminina. Não somos escravas de seus julgamentos, logo, nos deixem livres para pensarmos no Will Smith pelado!

A prefeitura de nossa vida!

  Às vezes nós guardamos coisas velhas, nos apegamos a velhos cacarecos e achamos que são tesouros. Assim também fazemos com as pessoas. Às vezes nos apegamos a alguém por simples necessidade de nos sentirmos 'cheios', completos. Como dizia 'Nietzche', tem gente que gosta mais do fato de gostar de determinada pessoa, do que realmente daquela pessoa. Temos um sentimento de posse: inutilizamos os sentimentos daquele ser e nos entitulamos senhores dessa região. Montamos Prefeitura e achamos que somos os prefeitos desse local. Doce ilusão!
Há quem se perde na vida justamente por deixar a porta aberta, para que qualquer um entre e retire os moveis do lugar, monte como bem entende e depois saia! Ora, a culpa é do ladrão que entrou ou do dono desleixado que permitiu isso, não trancando devidamente a porta? Isso não quer dizer que devemos cercar muros, paredes e portas com correntes, pois assim nos tornaremos cativos da própria prisão,  mas sim, que possivelmente uma cautela quanto a entrada e saida é necessária. Temos que nos guardar do outro, não como ostras, mas como um caracol. Para quem conhece esse belíssimo opositor dos artrópodes, ele não se tranca em si. Na verdade, ele se defende, escondendo seu corpo mole e sem proteção dentro da proteção dura e calcária. Quando se sente seguro, sai novamente, deixando a porta aberta. E por que nós seres humanos nos julgamos superiores a tudo e toda a raça de vida e não aprendemos com eles?
Quando damos o cargo de prefeito de nossa vida para outra pessoa e não para nós mesmos, perdemos o chão, as palavras, andamos tristes pela sala. 
E parafraseando ainda a Calcanhoto, digo que só vale a pena deixar a porta aberta quando não for você que morar no outro.
Entenda como quiser!

terça-feira, 23 de março de 2010

All the things we, she or he said

As 10 mentiras clássicas...

  1. Amo você para sempre!
  2. '...Juro até que a morte nos separe!'
  3. Não tenho olhos para mais ninguém
  4. Eu não penso mais nele (a)
  5. Prefiro os seus ...
  6. 'Eu sei que vou te amar...'
  7. Meu celular descarregou [vale o mesmo quando diz estar fora de área]
  8. Prometo que amanhã será diferente!
  9. Não me deram o recado. Você ligou quando mesmo?
  10. Só existe você em meus pensamentos...

As 10 verdades necessárias ao inves das mentiras...

  1. Até o momento, eu amo você!
  2. Enquanto você conseguir ser o que é até hoje...
  3. Adoro você mas ele(a) também é um gato(a)
  4. Eu penso de vez enquando, mas gosto de você!
  5. Prefiro maior  mas o seu resolve!
  6. 'Ela disse adeus...let's to get...'
  7. Eu não podia te atender naquela hora, ok?
  8. Vou tentar mas não prometo!
  9. Não tava afim de falar com você!
  10. Eu penso em você, claro. Mas quem disse que...

Pronto! Seria muito mais fácil se tudo fosse assim!
The ugly truth!

domingo, 21 de março de 2010

Embalos de Sábado a Noite

   O homem quando conhece uma mulher, a primeira vista só consegue imaginá-la de quatro em cima de uma cama. Não se espatem mas essa é a verdade. Eles não nos enxergam como 'mães' em potencial ou como 'futuras senhoras' ao lado deles.Só pensam no sexo, e isso é fato, pergunte a qualquer um!
Já a mulher, vai dormir sonhando com o nome dos filhos que dará e com o fim de semana na cozinha da sogra, tentando impressioná-la com algum prato gostoso e prático.Sonha com a lua-de-mel em Cancun e com os lábios dele dizendo embevecidos de tanta marguerita: eu te amo!. Isso é fato, pergunte a qualquer uma.
A única coisa em comum entre esses dois seres quando se encontram a primeira vista, é a vontade de se conhecerem mais, quando o papo favorece, claro, e sendo eu, expert em prender a atenção com isso, posso lhes dizer que realmente funciona: beleza convida mas inteligência convence a ficar. Quantas e quantas garotas lindíssimas perdem seus affairs por isso: são burras e desinteressantes.
Fiquem curiosos, pois eu não vou lhes contar o fim da história!

sábado, 20 de março de 2010

É pra isso que existem os ouvidos: Ruth Brown


"Maaaama!!
He treats your daughter mean!!

Baah! E por que você se importa?

I dont know! Ain't misbehaving...

Você é melhor do que ele, sugar plump...

I dont know...As long as i am moving, i'm pretty good!"

Musa!! Diva!! Como pode existir tanta gente talentosa nesse mundo?
Ruth Brown, I love you, girl!
Que voz... que timbre!
Orgasmo sonoro!Vale a pena conferir!
P.S: Ruth, desculpe pela brincadeira com suas musicas!

sexta-feira, 19 de março de 2010

Amo muito tudo isso!

'...And fill my heart with love for only you...' 

 
Tenta concorrer...

quinta-feira, 18 de março de 2010

18/03/2010

   Um fato marcante aconteceu na antiga Prússia, há exatos 500 anos atrás! Um Rei jovem, distinto e com ares burgueses, completava 27 anos. Ele se chamava Agent, e comandava toda a região conhecida como 'Ilhóvisk do Retiróvisk.' Sendo assim, e por se tratar de um dia festivo, instituiu como decreto mor daquela região, que todos os aniversariantes deste dia eram convidados a se sentarem ao lado dele, para brindar e festejar a passagem de mais um ano de vida . Mandou cartas aos seus familiares de longe, meses antes, avisando-os da festa que ocorreria no dia de seu aniversário. O rei, por sua vez, mandou que convidasse também, os lugarejos, reinos de outros continentes e até seres mágicos e longinquos. Dentre todos eles, havia uma convidada em especial: Seu nome era Julie!
Na verdade, ela não era nenhuma camponesa, nem tampouco rainha ou princesa de reinos distantes. Quiçá fosse um ser mágico, mas, todos concordavam mesmo que ela, era de fato, 'uma cachorrinha muito inteligente', como costumava ser chamada por sua dona, uma senhora simpática e pacata chamada Rogéria, que fabricava os bolos para o Rei. Julie, alegre e 'traquina' como nenhuma outra, se arrumou desde cedo, indo ao PET shop da região para fazer as unhas, pêlos e até escovar os dentes.Sua dona, como não tinha tempo,pois preparava os comes e bebes reais, pediu para que ela fosse sozinha dessa vez, mas, que tomasse cuidado no caminho, pois não poderia se atrasar para a festa do Rei e de seus convidados. Julie balançou a cabeça como um sinal de que faria exatamente como a dona pedia, e saiu porta a fora, 'trotando' lindamente.
 Seguiu o caminho até o PET, e antes de chegar, lembrou-se de que não tinha comprado nada para presentear o rei. Ficou nervosa, e começou a pensar o que poderia fazer, para presenteá-lo. Pensou aqui, pensou acolá, e teve uma idéia!...
-Au...au.au...
Ela iria dar a porção mágica que a gata Soraya dos desenhos animados dissera uma vez. Ela, muito contente com a brilhante astucia, não contava somente com o endereço da gata mágica! Oh céus! O que fazer diante deste impasse?
Logo, desanimada, sentou a beira da estrada e começou a chorar feito cãozinho abandonado...Pobre cachorrinha, dava pena de vê-la tão tristonha. Seus olhinhos encharcados faziam dela um bichinho muito mimoso, embora triste. Pensou em desistir, mas, por sorte, por ali também, passavam três leões astutos...
O Dplast, Madaga e o próprio Rei das Selvas, o Leão.
Ao perceber que alguém estava chorando, Dplast, sensível que só ele, começou a perguntar aos seus irmãos se algum deles chorava! Como nenhum aparentava estar triste ou chorando, começaram a procurar a origem daqueles soluços. Grande surpresa a deles, quando viram que era exatamente, a Julie!
-Julie!! - Disseram os três.
-Oi leões - Disse ela, ainda enxugando os olhinhos...- snif snif
-O que você tem, J? - Perguntou o Madaga...
-É que eu...snif snif...eu, não tenho como fazer o presente do reeeeii......buáááááá´
E tornou a chorar.
Os leões com pena da amiga Julie, logo começaram a se perguntar o que exatamente ela queria dizer com aquilo. Julie, sabendo que seus amigos não entenderam muito bem o que  quisera dizer, começou a explicar sobre o plano! E que belo plano era aquele...
-Nossa Julie! É realmente um belo plano! - Disse o Dplast
-Mas como vamos encontrar a gata Soraya? Eu não sei onde ela mora! -Disse a Julie...
-Calma J, que nós vamos te ajudar! - Completou o leão...

E sairam os quatro, correndo em direção as montanhas mágicas do reino perdido da cidade bucólica de Jhonny Person...
Ao passarem pelo arco central, deram de cara com placas diferentes indicando a casa da Soraya. Numa delas, havia um desafio para aqueles que tentavam encontrá-la...

'O essencial é invisível aos olhos!'

Julie que não entendera nada, começou a perguntar a seus amigos o que exatamente aquilo queria dizer. Nenhum entendeu, e logo o leão teve uma brilhante idéia!
-Vou ligar pra musa!
Todos pularam de alegria!
-Nossa...é mesmo! Como não pensamos nisso antes? Vamos ligar pra musa!

E discaram...2...3...4...5 vezes e ela enfim atendeu...
-Alô? - Ao fundo, um som específico de partida de futebol...
-Alô? Musa? Sou eu, o leão!
-Queeeem? - Pra fooooooora!!! - Urrava alguem ao lado dela...
-O leããão, musa...
-Ahhh, LEÃÃÃO! Tudo bem, pimpolhinho? Olá! Escuta, não posso falar com você agora! Tô no maracanã, vendo o Fluminense ganhar o flamengo de 10x0!
-Nossa Musa! 10x0?
-É...e acabei de ver aqui no maraca também, o SPORT meter 11 gols no náutico. É o campeonato carioquês de futebol de times fundidos.
-Nossa, musa, adorariamos estar com você! Mas, precisamos da sua ajuda para resolver um mistério!
-O que houve, leão? - Perguntou ela, se afastando um pouco do barulho.
-A Julie precisa encontrar a casa da Soraya, pra gente pedir a ela a porção mágica que...

Explicado todo o ocorrido, a Musa pensa, e resolve ajudá-los...
-Olha só Leão. Você tá vendo a placa central, com os dizeres?
-Anham -responderam todos, atônitos...
-Ela tá atrás daquela placa enorme. Numa latinha de relógio.
-Nossa, tão fácil!
-É...a Soraya gosta de complicar, mas ela não é de nada para essas coisas...
-Valeu musa!
-De nada leão...um beijo pra vocês!!!
E desligou.
Os leões, fascinados com a possibilidade de encontrar a Soraya tão facilmente, correram em direção a placa. Grande não foi a surpresa, quando lá, ao invés da Soraya, encontraram...
-Castilhoo!!
-Oi gente!
-Ué, cade a Soraya, Ladrilho? - Perguntou o Dplast
-Castilho!-gritaram todos
-Ela foi tirar férias e me deixou aqui no lugar dela...

E eles desanimaram! A Julie, agora aos prantos, chorava sem parar.
Foi quando o Castilho perguntou o por quê de tanta lágrima. O leão começou a contar, quando de repente, surgem barulhos estranhos atrás do arco da cidade...
-Nossa, que som é esse?
Era a Soraya, que vinha de mala e cuia, ouvindo seu Ipod, dançando com os bracinhos pra cima e cantando sem parar...
'Shees not anyoooooone...she's not anyoooone...la la la la la...'
-SORAAAAAAYA!
Todos gritaram.
Ela, que ouviu o grito dos amigos mesmo com o som alto, deixou as malas cairem e parou .
De olhos arregalados, ela começa a fuçar a bolsa como se desesperadamente precisasse de algo. Todos assistiam a gatinha procurando na bolsa algo diferente e não entendiam bem o que era. De repente, ela retira gloss, maquiagem, e em menos de 5 segundos, está 'pronta para a festa'...

-Oi leããão... - ao fundo, um som musical sensual...
-Err...Oi Soraya...- respondeu o tímido felino...
-Você veio me visitar? - Perguntou ela piscando um dos olhos para ele...
-Err...na verdade, viemos pedir sua ajuda...

Não era bem o que Soraya pensava, e agora, envergonhada, tirou toda a maquiagem com a patinha, e juntou as malas, seguindo em direção a sua caixinha de relógio...Cara de '=lixass'...
-Ah tah...
Julie, atônita, pergunta a amiga se ela não poderia doar um pouquinho daquela porção mágica que fabrica nos seus desenhos. Soraya, se fazendo de dificil, diz que não pode doar...
-Mas soraya! Viemos de longe só pra te pedir isso...
-E o que eu tenho a ver ?? - Perguntou a gata metida...
-Precisamos dela para preparar o presente do Agent...
Aquele nome, ao ser dito , causou em Soraya, uma espécie de 'faniquito', e ela , agora pulando de alegria, começa a fazer a porção usando todo seu aparato mágico...

-Agora que o show vai começar, - disse o Leão...

CA BUM! Ops...Ploft!  Tudo pronto, e Soraya entrega a porção nas mãos da Julie!
-Pronto, é todo seu
-Obrigada Soraya!
-Não há de que...

E julie sai trotando por entre as flores...O Dplast, castilho e madaga vão logo atrás. O leão, fica, e se despede de Soraya...
-Errr...Sô...
-Qui éééé? - Disse a zangada e decepcionada gata
-Err...fecha os olhinhos?
-Não dá! Tenho que manter os olhos lubrificados - disse a áspera gata, fazendo novamente cara de '=lixass'
-Vaai Soraya...por favor...
-Tá bom hein? Mas só 2 segundos...

E ela fecha os olhos...antes mesmo de abrir, sente algo quente e macio tocando seu rostinho de gata. Era o leão, timido, dando-lhe um beijinho. Quando abriu os olhos, viu que ele já corria bem longe, e deixou no chão de areia, um recadinho...
-I heart you

Ela sorria feliz...
E no caminho, a Julie, agora rindo a toa, começa a preparar o presente....
-Anda  logo Julie que não temos muito tempo...
-Tá...já tá pronto...
Então vamos embora...
No caminho de volta pra casa, ela se lembra de que precisaria ir antes ao PET. Não podia chegar a festa do Rei Agent, feito uma 'DOG' qualquer, e ainda por cima, dissera a dona, que sairia de casa e voltaria arrumada.
-Ah Julie, você se arruma em casa...
Foi ai que ela teve uma brilhante idéia...

                                                                     [...]

-Como assim no Rio, Julie?
-É mamãe...ele tava no rio
-E o que o dono do PET shop faz no rio em plena festa do rei?
-Ta levando de 10x0 do time da musa...
-Ahhhhhh
O PET estava no rio, jogando, embora seus amigos estivessem depondo na policia...

Tudo pronto, e a festa do rei começa...
Todos felizes. Muita comida, muita bebida e muita gente. O Rei muito contente, distribui presentes aos seus convidados.Recebe outros em troca, e festeja seu aniversário. De repente, entram pela porta, Leão, Julie, Dplast, Castilho e Madaga. O rei que os reconheceu de imediato, mandou que os buscassem para perto dele, e oferecendo um lugar real, sentou todos eles ao seu lado.
-Parabens Agent!
-Obrigado pimpolhos!
-Você tá feliz, Agent?
-Demais!
-Então a Julie tem um presente pra você...
-É mesmo J?
-É sim, Agent...
-E então, cade?


Ela então entregou a ele, um envelope. O agent abriu, e logo as lágrimas começaram a cair de seus olhos. Não eram lágrimas de tristeza, mas de alegria. E todos ali, maravilhados com a comoção do rei, se intrigavam com o conteúdo daquele envelope.
-Será que ele gostou, Dplas?
-Não tá vendo a cara dele Julie? Ele adorou...

Era a porção da alegria eterna. Toda vez em que o agent estivesse triste, só precisaria abrir o envelope e logo, doses de amor, alegria, felicidade escorreriam e cobririam seu corpo com a mais pura e singela forma...
-Obrigado, Julie!
-O presente é de todos nós...

Dona Rogéria, que assistia de longe, ficou feliz com o gesto de sua cachorrinha.
Os convidados que nada entendiam, se perguntavam como ela poderia estar tão tranquila, mesmo sem saber o que continha o envelope. Ela, discretamente, olhou pro canto, e piscando o olho para a gata Soraya que ali estava escondida, disse baixinho, quase cochichando, olhando pra câmera do Dplast que filmava tudo...

'o essencial é invisível aos olhos...'

segunda-feira, 15 de março de 2010

Think think thiiink!

Pense bem: como seria a sua vida, sem você?
Como seria não existir, e ao mesmo tempo, saber que existe alguém que sente justamente a falta de alguém como você?
Acho que hoje enlouqueci de vez, e chego a conclusão de que eu não existo. Na verdade, o que tô querendo dizer é que penso estar atuando 24h por dia e essa aqui que vos fala em tese não existe, mas sim, alguém querendo chamar atenção dessa forma.
Não existimos. Somos o que esperam que sejamos. Dai lembro-me que existe muita gente rebelde  e certamente ninguém espera rebeldia. Isso é infundável mas é irrefutável, posto que para que existam preceitos, deve existir antes, alguma espécie de contravenção.Algo que faça o moral ser atingido para que se defenda de alguma forma: pra isso existem as leis.
Essa noite cheguei também ao fundo do poço da baixa auto estima. Me olhar no espelho vem sendo uma 'sessão' tortura e impreterivelmente 'tonight', mandei tudo pra puta que pariu e mandei o filho da puta pro quinto dos infernos. Fiquei louca? É fiquei mesmo e quebrei o espelho todinho.
Os superticiosos de plantão podem achar que agora é que a coisa vai ficar feia [sem trocadilhos] mas eu acho que não. Não quero me ver diante desse por um bom tempo, e só torno a fazê-lo quando a paz interior pairar novamente. O Levi que me perdoe mas a sua Musa está com dez quilos a mais e só tornará a se admirar quando esse tecido adiposo for mandado academia abaixo, e não pensem se tratar de algum fora homérico recebido hoje: simplesmente hoje cheguei ao pior dos estados fecais que uma  mulher pode chegar! Fim de ciclo menstrual, TPM altíssima e dez quilos a mais. Nem o Fuher merecia isso.
Eu me detesto, isso é verdade. Mas eu me lembro que muitos dos grandes também se detestaram e isso serve de parâmetro para a minha loucura vindoura. Madonna foi rejeitada umas 500 vezes antes de ser rainha do Pop e o Freud quando disse que o homem só agia por interesse, se referia a prima que se aproximara dele para ter contato com um de seus amigos. A Maysa sofria disso também então eu não vou perder tempo procurando análise. Chego a conclusão de que isso deve servir para alguma coisa e a partir de hoje, eu não vou mais me punir diariamente. Dieta já!
Vou tentar, pelo menos, já que ainda tô falando como a Karlla má...
Bah, acho que preciso de remédio...

domingo, 14 de março de 2010

Bizarre Love triangle

ELA
"Eu fiquei deitada. Minhas pernas não responderiam a quaisquer avanços do relógio ou telefone.Tive medo de cair, e por isso fiquei ali, deitada. Parada dentro de meus agitados pensamentos confusos.Oh Deus como eu queria encerrar aquilo dentro de mim.
Ele estava indo embora. Me deixou só, e sozinha eu fiquei. Pra variar, beijou-me a testa e disse sentir saudades antecipadas antes mesmo de sair de meu quarto, enquanto ligava o celular. Certamente era para avisá-la de que o atraso tinha se encerrado e estaria indo buscá-la para um dos passeios de fim de semana. Eu, feito uma babaca, poderia correr, tomar o telefone e informar que na verdade eu não era uma potencial cliente do ramo mas sim o  cano de escape dele quando a semana se fodia por si só ou quando ela negava fogo e carinho.Poderia insultá-la das mil e uma coisas que me dissera sobre sua frigidez ou até mesmo do odor que exalava quando se excitava.Poderia destruir o cerne daquela que destruia a minha paz! Mas não. Optei apenas por dar um breve 'tchau' e fingir estar mais preocupada com meus estudos enfadonhos sobre ciência política. Eu sei fingir bem, e fazia com tanto gosto que as vezes não sabia se realmente me importava com a presença dela em minha vida atrapalhando o que eu considero como 'relacionamento' ou se realmente fingia, por puro costume ou conveniência.É melhor fingir não gostar dele do que demonstrar tudo isso e no fim das contas ter que contentar com esse status maldito de amante!Ele nunca vai terminar com ela. Admito! E isso me incomoda...''

ELE
''Odeio quando a tarde termina! Por que não sou forte o bastante e resolvo isso de uma vez por todas? Gosto dela mas a Joana ficaria arrasada. Ela também nem parece se importar! Oh só, tô indo embora e ela só se importa em procurar as anotações dos cadernos. Como foi que ela ficou tão fria? Agora parece que sou só uma transa! O cheiro dela, ainda tá aqui nos meus dedos mas ela parece que nem sentirá minha falta enquanto eu estiver cruzando a rodovia. Por que não diz o que ela me pediu há um ano? Acho que agora não dá mais tempo. Antes, a testa quente e agora os olhos baixos e incisivos. Não, definitivamente ela não me ama mais, devo ser só conveniência. Terminar com a Joana será burrice!''


-Você promete me dizer um dia, Flávio?
-Dizer? Dizer o que?
-Dizer que me ama!
-Ora, e por que não diria?
-Sei lá! Por medo
-Medo de que?
-Medo de que eu não sinta o mesmo e esteja bancando o bobo
-Você não parece ser do tipo que finge
-Vai saber!!!

Alone

    Toda vez em que penso na vida como um jogo de possibilidades, dou com a cara na parede. Na verdade essa coisa toda de 'ensaio sobre meus dias' não tem funcionado e eu continuo com os mesmos ares depressivos de quando comecei a escrevê-los. Virar alcolatra eu não pretendo e 'terapias' me fazem sentir mal. Detesto saber que pago a alguém para ouvir aquilo que não cabe dentro de mim.Aliás, eu detesto saber que qualquer relação é falsa e pretensiosa. A não ser por amor...
   No fim, o que me tranquiliza é continuar tendo-os comigo e despejá-los no fim do dia, naquele grande e grosso travesseiro que coloco atrás da cabeça. Me sinto, bem, é verdade. Como nunca me senti, nem ontem ou em algum outro dia da vida. Venho ouvindo coisas que servem para o aprendizado final e se quer mesmo saber, algumas perdas são necessárias para que , um dia, quando eu realmente precisar NÃO perder, não cometa, posto que no passado já vivi e aprendi.A vida nem sempre é fácil mas dificil mesmo é ganhar na loteria e ainda assim tem gente que ganha. Sendo isso, como posso me queixar de não estar em Paris ouvindo 'as time goes by' ou no Rio, assistindo aos jogos daquilo que se tornou meu complemento pra felicidade, enquanto pessoas têm problemas de verdade, como fome, doença , e etecétera?
Com isso eu não diminuo meus problemas ou os torno alvo de um altruismo barato. Simplesmente tento ganhar a consciência de quem tem muito mais coisa importante do que se queixar de problemas os quais nem são tão grandes ou sujeitos de dificil resolução. Há tempos venho esperando por alguma espécie de milagre, quando na verdade, o milagre sempre esteve aqui, do meu lado. É tudo uma questão de percepção.Talvez agora eu tenha parado de me punir por um crime o qual incorporei ao meu cotidiano.
Eu não havia percebido até me conhecer...

quinta-feira, 11 de março de 2010

bom dia!

   É pensando que se chega a alguma conclusão. E justamente numa empreitada desta, foi que cheguei a certeza de que, as vezes, eu sou a minha própria inimiga. Faço coisas as quais me atrapalham, mesmo inconscientemente, e no fim das contas, me torno a minha pior parte.Um simples 'bom dia'. Paradoxal demais para o horário...
  Cheguei a conclusão também, de que as vezes atropelamos as fases da vida por pura pressa ou, por puro medo de vivê-las da forma como deveriam ser vividas, por medo de algo ''maior''. Tem gente que tem medo de tudo, até de tudo...
  E reitero, com uma canção, que por acaso, hoje veio tocando no carro, e me fez novamente lembrar dos tempos ''áureos'' de ontem. Um ontem ainda ontem, não tão longe...
Se a gente não tivesse feito tanta coisa,
Se não tivesse dito tanta coisa,
Se não tivesse inventado tanto
Podia ter vivido um amor Grand' Hotel.

Se a gente não dissesse tudo tão depressa,
Se não fizesse tudo tão depressa,
Se não tivesse exagerado a dose,
Podia ter vivido um grande amor.

Um dia um caminhão atropelou a paixão
Sem teus carinhos e tua atenção
O nosso amor se transformou em "Bom Dia"...

Qual o segredo da felicidade?
Será preciso ficar só pra se viver?
Qual o sentido da realidade?
Será preciso ficar só pra se viver?

Se a gente não dissesse tudo tão depressa,
Se não fizesse tudo tão depressa,
Se não tivesse exagerado a dose,
Podia ter vivido um grande amor.

Um dia um caminhão atropelou a paixão
Sem teus carinhos e tua atenção
O nosso amor se transformou em "Bom Dia"...

Qual o segredo da felicidade?
Será preciso ficar só pra se viver?
Qual o sentido da realidade?
Será preciso ficar só pra se viver?
Só pra se viver.

Ficar só
Só pra se viver...
Ficar só
Só pra se viver.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Across the world

Hey Jude, all you need is love!
Love is all you need

O destruidor de Playground.

                                                            [Da série : Contos Curtos]

  Ele nem era alto, nem baixo: era do tamanho exato! Conseguia pensar nele com a mesma intensidade que minha barriga anunciava precisar comer a cada vez em que a ansiedade por vê-lo me assolava a cabeça. Por mais articulada que tenha sido em toda época de colégio e faculdade, não sabia porquê só de pensar no dito cujo, as palavras fugiam e eu rezava pra que ele se apaixonasse por mim mesmo assim.Mesmo tola, ansiosa.
  Passava o dia criando situações. Pensava que a qualquer momento, alguma daquelas cenas de Sex and the City se repeteria aqui mesmo, do meu lado, e ele seria o meu Mr Big. Filmes, séries ou contos lidos: tudo era motivo para devaneio com aquele cuja boca me adocicava o coração.
  Sempre que possível, eu deixava minha marquinha pretensiosa. Recados, beijinhos e marcas de batom no espelho do coração dele. Tudo era meticulosamente estudado, da maneira de agir ao perfume exato para as narinas dele. Costumávamos ouvir as mesmas músicas , e eu sempre tentei inseri-lo em meus gostos e hábitos, já que o homem mais bonito do mundo, parecia se interessar por eles. Tinha por ele uma espécie de encantamento e não me pergunte como isso se deu.Em algum tempo, estávamos tão próximos que meu coração conseguia se exaltar só de ouvi-lo respirar, e aqui não vai nenhum trocadilho sexual. De fato, ele me assanhava o cerne. Perdia muito do meu dia, só pensando no homem que me fizera trocar a fechadura do miocárdio.
   Limpava os dentes, retirava os pedaços de comida do almoço sempre em que ele se anunciava. Trocava a posição da franja, esquecia de dosar o perfume e ousava na calcinha. Essa era sempre pequena, do jeito que ele gostava. Sua mãe gostava de plantas e ao saber disso, indiquei-o alguns instrumentos para que ele presenteasse a tão pretendida sogra no dia das mães. Tudo caminhava perfeitamente bem, até que eu descobri, que ele nem era tão bonito assim.
   Por mais que seu semblante me encantasse, ele era ausente. A noite costumava chegar e ele prontamente me esperava no portão. Nem sempre trazia uma flor, mas quando dava, me deixava inebriada de tanta paixão. De repente, ele tinha compromissos inadiáveis, e sem perdão, esqueceu meu aniversário, dia 05 de janeiro. Usou a desculpa de estar muito atarefado, mas que eu era perene em seus pensamentos! Droga! É assim que a ilusão começa e eu parecia estar começando a entrar no território de Hades sem perdão. O desgraçado dono do inferno ainda ria de mim, tripudiava enquanto eu amargava lá dentro. Mas não tem nada  não! O mundo é redondo justamente para poder mudar de direção ao toque da vontade.
    Comecei a rever o título de 'cara dos sonhos'. Ora, ele realmente fora eleito mas em contrapartida, sempre fora todo o almejado. Caso contrário, certamente abriria espaço pra outrém, porém, ele, se dizia interessado até mesmo nisso: suprimir qualquer tolo arlequim. Comecei a me entristecer em casa investida por noticias. Ele aparecia quando dava, e de vez enquando, me deixava ao acaso.Decidi então, bani-lo do meu playground.
   Comecei a não atender suas ligações. Mensagens com ''te quero'' e ''te amo'' foram potencialmente ignoradas. Me machucava cada ignorada daquela, mas, certamente era necessário. O que antes era belo e intenso, passou a ser, frágil e triste. O coração dele deixou de estar lá, e eu passei a chorar desesperadamente, posto que a cada tentativa de me desapaixonar, meu peito parecia explodir concomitantemente. No direito, há leis que são revogáveis, mas no mundo do amor, esse preceito era completamente pétreo. Ele não somente deixou de ser importante como, aos poucos, foi perdendo a cadeira cativa a qual foi destinada aos minutos iniciais da partida.
   De repente, a suspeita se torna realidade:
-Oi?
-Oi!
-Não me atende mais. Tive que vir aqui te ver!
-Sim,percebi
-Não me quer mais?
-Não!
-Nossa, por que?
-Porque você não quis, primeiro!
-Sua boba, você sabe que sempre te quis
-Não com a mesma intensidade!
-Ando atarefado, só isso!
-todo mundo tem tempo... para o que prioriza. 
-Eu te priorizo!
   E foi ai que eu desencantei dele. As mentiras, quando bem contadas, soam melhores aos ouvidos. Quando não, são agressões ao meu intelecto. Antes tivesse dito estar sem interesse, mas, que ainda me queria, embora um pouco distante.
   Na verdade, ele era um mentiroso, tal qual os outros.


 ''Usar o coração de alguém é como destruir o playground da praça: acaba toda a brincadeira''

A função do poeta é apaziguar a dor de ser só, com o prazer de amar, daqueles que o podem de fato, viver!

     O amor cientifico é uma coisa programada, metódica. O belo foge completamente do mensurável. Não existe amor, se este for, apaziguado pelos padrões quantitativos. Ele se baseia impreterivelmente no indizível, no absoluto do ser. O amor se cria instantaneamente ao sorriso, gesto impensado ou batida lenta do coração. É como se puséssemos toda a dor que nos sufoca dentro de um barril e explodíssemos com ele, fazendo assim, cair do céu, faíscas de amor. Afinal, a dor se foi, e quando se vai, surge o amor.
    Há espaço dentro da gente para sempre findar um novo amor? Creio que sim. Não tenho propriedade para afirmar com certeza, posto que meu coração não coaduna muito com isso. Mesmo assim, continuo achando que mesmo dentro daqueles que outrora feridos [embora eu não concorde que amor fira] a coisa toda pode surgir novamente, e dessa vez , até mais intenso, já que, os erros do passado serão meticulosamente analisados.
    É abrir o coração, sem antes mesmo de tê-lo fechado. Se pudessemos quantizar isto, diria que é, como atravessar a linha do trem sem observar as direções opostas. De repente, somos atropelados e por mais incrível que pareça, gostamos. É um absurdo! Não chega a ser paradoxal, mas é sem sombra de dúvidas, algo espantoso, mas, gostoso de se viver.
     Uma vez me perguntaram de onde vinha a propriedade pra falar tão bem embora eu discorde sobre amor. Sinceramente não sei responder, posto que sou oca, vazia. Sinceramente,eu não sei sequer vivê-lo, mas, agradeço a pessoas que o fazem por mim, e aqui vai um agradecimento especial ao meu grande amigo Romero. Afinal, é para isso que servem os estupidos poetas, e aqui me entitulo como uma, claro. Vivemos para mensurar o amor, embora seja humanamente impossivel, posto que isso só é permitido a Deus. Vivemos para traduzir, o que é que acontece, quando a oxitocina entra em ação! Vivemos para apaziguar, dentro da gente, a dor de potencializar todo o sentimento, com a experiência daqueles, que, por presente divino, são concedidos o privilégio de amar sem medo ou causa.

Pão, circo e copa do Mundo.

 Rousseau disse num de seus livros, algo que falta aos revolucionários:
''Perguntar-se-me-á se sou príncipe ou legislador, para escrever sobre política. Se eu fosse príncipe ou legislador, não perderia meu tempo em dizer o que é preciso fazer; eu o faria ou me calaria.''
Eu também não o sou, para vir aqui e dizê-los sobre tal. Mas é exatamente isto, que enseja o discurso onde se intenta a resolução dos problemas vividos por uma camada social. Num texto mais abaixo, refiro-me aos encalços sociais como problema ''de execução das condições mínimas para que um ser humano, sinta-se de fato e  por direito, um Cidadão'', e realmente, sendo eu, ou governante [príncipe] ou legisladora, os resolveria de forma clara e coesa, sem muito falatório.
Se temos disparidade de renda dividida, que esta seja, redistribuida, ora!
Vejamos que com 510 reais ninguém dignamente sobrevive. Sendo assim, movimentações de cunho 'igualitário' deveriam ser iniciadas por parte daqueles que formam o país. Logo, você e eu e ninguém diferente disso. Daí você pára e pensa: mas, afinal, o que posso eu fazer ??
Muito, minha gente!
A começar pela organização de pensamentos: você não é coitado porque Deus te escolheu para tal. Você vive a condição social imposta por você mesmo e pelos demais que te cercam. Ora, quando os Direitos básicos são privados mas, por Constituição garantidos, é você quem se omite no tocante de cobrá-los de quem, por DEVER, deve cumpri-los. Se você é obrigado a pagar X quantia ao município, mas este, em contrapartida, não te supre nos quesitos que esse mesmo imposto tem por obrigação, resolver, LOGO, você se torna 'DESOBRIGADO' a pagá-lo.
''Mas e a contravenção''?
É tudo um jogo de retorno: A Lei obriga que você pague, e que você receba o benefício.
Se você paga, deve receber
Se você NÃO paga, NÃO deve receber
MAS, se por ventura, você PAGA e não recebe o benefício, que obrigação é esta?
A lei só funciona quando se trata de nossos deveres? E quanto aos Direitos?
Se toda a população de João Pessoa, se negasse a pagar o IPTU, duvido muito que o Prefeito fosse multar cada um. É tudo uma questão de lógica: a totalidade faz a força!
Sei que o problema estatal é grande, mas, este, deve se valer dos princípios de ''bem estar comum''. Não é justo que sejamos obrigados a conviver com tamanha inconsequência, como também, não é justo que nossos irmãos sertanejos tenham que sobreviver as custas da fé em Deus.
É preciso pão, é preciso água!
Mas é preciso coragem para se fazer mudar!
Não seja palhaço na próxima eleição!
Duvido muito, que se NENHUM brasileiro votasse nos candidatos que irão daqui a pouco iniciar o ''obratório'' nacional, a União fosse prender toda a nação.Afinal, não há local pra tal, assim como não há suprimentos para mais de 180mi ou motivos.
Tentemos a ousadia!
Devemos nos unir, e nos conscientizar de que, do jeito que tá, não dá para continuar. Chega de somente pão, circo e copa do mundo embora essa ultima, seja bem interessante!

O indizível

[Agent se encontrando com a Grey]

    Tem coisa na vida que realmente é sem explicação. São fatos ''indizíveis'' como diria o Augusto, ou frutos da Maconha, como diria a Adriana. Ambos são personagens de um dos melhores romances já lidos por mim, durante toda a minha passagem pelo planeta terra. Escrito para não dizer presenteado ao mundo pelo Gugu Keller, 'Escuridão' tem toda a dramaticidade que envolve o ser humano, quando o assunto é ser sincero consigo mesmo e com aquilo que passamos a vida inteira a dar cabeçadas: amor.
   Ambos os personagens vivem conflitos peculiares. O interessante nessa história toda, é que, trocando em miudos, a vida é exatamente daquela forma. Somos introspectivos ou 'dados', tímidos ou extrovertidos, mas, quando o assunto é 'sentimento', entramos num mesmo patamar: o da incerteza. Paira no ar aquela dúvida, de saber estar ou não trilhando o caminho correto. Eu tinha lá minhas dúvidas sobre a condição pétrea do coração [ou falta dele] do Agent.Nunca acreditei 'piamente' que o problema fosse introspecção, embora ele afirmasse se tratar disso. Enfim, o que importa, é que ele, agora livre dos estigmas, se deu a chance de gostar de alguém e isso, para os Monges Tibetanos e para mim, é mais do que um simples milagre! A dúvida, quando existe, só atrapalha e atrasa o que pode ser vivido. A dúvida também impulsiona, mas certamente não nesses casos. Tem coisa na vida que é indizível mesmo.   

segunda-feira, 8 de março de 2010

Nana, Brasil, que o amanhã de fato, já vem!

     [Somos usurpados. Saqueados à luz do Direito. Apanhamos,feito 'mulher de malando, mas, acabamos gostando!]


Vejamos: é público e notório,até mesmo para ateus, que o mundo está acabando. Religiosamente, vemos terremotos periódicos, assim como o desfecho da atmosfera, gerado à luz da poluição gradativa que há séculos assola a nossa 'zona de proteção' chamada Camada de Ozônio. Antes que isto aconteça, ainda acredito no dia em que verei essa nação triunfante, e não somente, um lugar considerado como ‘O País do Futuro’. Estou cansada de me sentir usurpada por quem deveria me garantir a vida. Muito mais do que isso, o Brasil é a terra onde as pessoas vivem as piores barbaridades sociais e ainda assim, fazem festa. Vemos também a indisciplina, o caos, a inversão de valores e principalmente: o ser humano como mero objeto somatório. Não é segredo a ninguém que a Plutocracia mínima é a que governa em nossos arredores geográficos. Burgueses, políticos e uma ínfima parcela da sociedade detém a riqueza do país da ''multi-cultura''. As garantias básicas são piadas e o sistema está completamente falido! Todo mundo é sabedor de tal fato. Se com os políticos ''larápios'' os quais votamos a cada eleição, alguma melhoria fosse vista, ficaríamos satisfeitos.
Mas, em detrimento a isto, pessoas são massacradas diariamente com péssimas condições, das salariais aos preceitos básicos omitidos, mesmo estes garantidos por constituição federal. O sentimento de impunidade agride tanto aos mais jovens quanto aos mais velhos. Quem não conhece alguém que fora assaltado, ao chegar em casa, ao sair, na rua, ou seja lá onde for? Quem nunca leu sobre travestis que apanham de policiais enquanto estes se divertem às custas do dinheiro fácil fornecidos a cada noite,por estes civis? Embora estes últimos citados, não coadunem com o bem geral dos princípios morais os quais tanto se prega, mas pouco se vive, estes, são seres humanos e pagam seus impostos como todos nós pagamos, desde o pãozinho comprado ao carro financiado. A vida de uma prostituta, mesmo que por opção, não é mais fácil do que a lavadeira diarista. Esses sofrem, apanham, são duramente ignorados pelo sistema que só tem por objetivo enriquecer mais a parcela mínima de sociedade já farta.
O pobre de favela que pretende ser alguém na vida, tentando ingressar numa faculdade ou simplesmente no mercado de trabalho, ou estuda, ou ganha da mega, e partindo do princípio que essa primeira opção é meramente uma 'piada' se considerarmos o falho ensino público nacional, cogitamos a segunda alternativa como mais 'fácil' de ser conseguida. Lembremos-nos também, que aquele que rouba, é justamente aquele que deveria receber a assistência básica acerca do que rege a Constituição no tocante à Educação e ao Direito ao conhecimento. Simplesmente essa garantia básica ultra citada, a ele não é permitida. É até privada! São poucos os casos dos menos favorecidos que conseguem atingir uma posição de alto grau na sociedade. Dai, alguém pode me perguntar se a falta de educação primária e familiar é a culpada por tamanho caos na seguridade social. E eu, tranquilamente, após analisar muita coisa, vos respondo que sim! O problema da violência no Brasil, ao contrário do que disse nosso Ex presidente Washington Luis, Não é um caso de polícia, mas sim, de execução das condições mínimas para que um ser humano, sinta-se de fato, por direito, um Cidadão.
Autoridades, Igreja, Facções Políticas e até independentes são sabedoras do que acontece aos moradores de rua! Estes comem literalmente o pão mofado pisado pela sociedade e não, pelo diabo. Falta de condição digna de vida vai desde o trabalhador braçal ao usuário de drogas, sendo este último, motivo pelo qual, o tráfico se rende diariamente ao perigo da morte. Mais e mais jovens aderem ao movimento das drogas, em alguns casos, por falta de perspectiva ou simplesmente, por haver em casa uma mãe prostituta que o ignora, e um pai alcoólatra, trabalhador de bicos e consequentemente, desequilibrado emocionalmente. Como exigir de um jovem deste, alguma espécie de ‘não contravenção penal’, já que, aos seus pais, o Direito básico de sobrevivência é restrito? Como exigir dessa mesma mãe, que esta dê carinho ao filho, se ao invés disso, ela tem que ir as ruas, se prostituir, vendendo seu corpo aos ‘barões’, os mesmos que os pregam na cruz, quando são postos a luz da sociedade, e não aos escuros quartos de motel aos quais se submetem sempre que sentem vontade? Ao invés de presídios, deveriam ser construídos centros de capacitação ao jovem pobre e ''fudido'' que mal sabe assinar seu próprio nome. Ao invés de auxílio ao presidiário com mais de 5 filhos, projetos sociais que incluam estes abandonados moralmente aos preceitos que garantem uma vida decente! Um reajuste salarial digno daquele que acorda as 05 da manhã, e que verdadeiramente é o Herói nacional, e não, um bando de desocupados e oportunistas escolhidos a dedo pela tão poderosa Rede Globo, para ensejarem um programa tão ridículo quanto esdrúxulo, o famoso BBB. Mais cultura, mais informação e menos alienação. Dignidade para aqueles que reviram lixo, para poder comer, enquanto larápios roubam à luz do Direito , os cofres públicos. Dignidade para que o sertanejo PARE de atuar como o palhaço , no circo formado de 4 em 4 anos, elegendo essa corja corrupta que os explora amargamente, à luz novamente, digo, eu, do Direito.É preciso uma conscientização geral por parte do Brasileiro que se acostumou a muito suor e pouco pão. É preciso parar com o pensamento de que ''não tem jeito e como está , está bom!''.
NÃO! Eu não aceito que o Brasil seja um país do futuro, mas sim, um país onde o ser humano seja tratado verdadeiramente como um ser humano, e para isso não precisa ser necessariamente católico, evangélico, gay, muçulmano ou drogado.É preciso somente avaliar que este tem sede, não só de comida, mas de justiça! Eu , por ser temente a Deus, sei, que em sua plenitude, esta só pode triunfar se instituída diretamente pelo Pai, que a tudo assiste. Mas, ainda assim, acredito que o Brasil, e principalmente o Brasileiro, é muito mais do que a nação onde se faz festa e futebol bonito: é o país onde pode se encontrar o ''el dorado'' dos sonhos de cada cidadão, seja esse, pobre ou rico, Flamenguista ou Fluminense, Crente ou Ateu.
Conscientização já, ou iremos padecer no limbo chamado desigualdade exarcebada.
Acreditemos que o Brasil tem jeito, e que isso somente depende de nós, para que seja modificado.
Acreditemos na canção que diz: ‘nana,[Brasil] que o amanhã já vem!’

É com lágrima nos olhos e por toda a face, que me deparo, com a materialização de tudo isto exposto acima, nessas fotos:


sexta-feira, 5 de março de 2010

O Sonho!

Love, love love!

Essa noite eu tive um sonho
Daqueles que não saem da lembrança
Sonhei que entrava na igreja, 
de bandeira na mão e de roupa branca.

Muitos eram os convidados
Poucos os conhecidos,
Nessa festa havia bolo também,
Só não sei quem , a entrar, havia me convencido!

Minha mãe, bem vestida, chorava!
A que parecia, ser a sogra, também!
Muitos, me admiravam, em pé
Outros, me olhavam com desdém.

Eu, ainda assustada, entrava no sacro lugar
Vestida honrosamente para a ocasião.
Na pele, a tradição do branco
E nas mãos, a bandeira de minha eterna Paixão.

No altar, o noivo anunciava rir
Não sei se do meu jeito assustado
Ou do sapato apertado.
O que sei, é que ele sorria
Lindo, vestido como pinguim de galeria.

A marcha nupcial tocava
Muitos, choravam de alegria!
Mas , sinceramente eu, ao casar
Preferia  'ave maria'!

Justamente pra mãe de Deus, 
Me olhar com ternura!
Abençoando o que viria  a ser
Uma vida a dois com doçura!

Ao chegar no altar,
Percebi que o noivo tremia!
Não me pergunte sobre a cara dele,
Posto que eu, de levantar a cabeça
temia!

Ele, sutilmente me tocou com os dedos
Embaixo do queixo, equilibrando o olhar.
Percebi que ele era lindo
Qual imensidão do mar.

Me beijou os lábios, 
a despeito do padre 'reclamão'
Que via em meu atraso
Motivo para um longo sermão!

Eu olhei para o santo pai
E pedi paciência!
Aquele era meu dia
E sobre ele, não tinha sapiência!
Não sabia o por quê
Nem para que fazia aquilo.
Só sabia, de certeza,
Do meu amor pelo mocinho.

Depois da missa
Saimos direto para a lua-de-mel
O moço, sorria para mim ,
Feliz, exibindo o papel.

Que me ligava a ele, eternamente
aqui na terra, como no céu!
Fizemos amor a noite toda,
Qual fugitivos de um quartel.

Ele me beijava
e me acendia a boca sem nexo!
O desejo por tê-lo era maior
Do que simplesmente ter uma noite de sexo.

O que Deus havia unido
Homem ou mulher nenhuma separaria
Somente o jogo de domingo,
assistido no almoço, da cozinha.

Ele era flamengo
E eu, fluminense
E esses dois times quando jogam
Separam até querubins inocentes!

quinta-feira, 4 de março de 2010

Ode to my country*

 
*Ode ao meu País

Nós sempre teremos a nossa taça de vinho para curar a ausência querida, numa noite fria.
Temos cobertores também. Eles estão sempre quentinhos, ou na pior das hipóteses, gelados graças ao artifício do ar- condicionado.
Para quem tem mãe, sempre restará um beijo de ''boa noite''. Quem sabe do pai.
Teremos sempre a praticidade do mundo ocidental.
Teremos sempre o calor de Copacabana
O maracatu de Recife
O chimarrão do sul!
Teremos sempre essa benção que é morar no país das corrupções, mas também, do calor humano e da multi-cultura.
Teremos padroeira. Teremos Deus como ideal de vida e não de morte.
Ante a tudo isso, reflita e diga:
O que teríamos, se precisássemos conviver com cenas americanalhadas, como esta?
É por essas e outras que eu me orgulho de ser Brasileira!
E eu tô falando é de compaixão!

Dia 04/03. Dia mundial da vergonha Americana! Porque o ideal não se sobrepõe à vida!!
[e como dizem os baianos: Deus é mais!]

quarta-feira, 3 de março de 2010

Glorybox - O espelho nosso de cada dia!

 
''...leave to the other girls, to play...''

   Eu não costumo correr atrás de nada nessa vida. Salvo a vez em que corri atrás de tanajuras, quando criança, mas certamente não vem ao caso. Pode parecer orgulho, soar como soberba, pernosticidade ao extremo. Na verdade, tudo isso se trata de uma maneira diferente de se prostrar ante a vida! Ora, se eu, não valorizar o produto, quem o fará por mim? Ninguém, de fato, e sendo assim, por que devo eu, fazê-lo, em detrimento ao que sinto, penso e faço? 
   Eu já gastei boa parte de minha vida tentando agradar a gregos e troianos. Família, amigos, namorados, enfim. E o que herdei no fim disso tudo? 'Ninguém é tão bom que consiga agradar a parcela que ama e odeia ao mesmo tempo'.
   Só existe uma pessoa digna de minhas investidas e essa pessoa sou eu mesma! É dificil chegarmos a essa dedução de vida, mas [graças a Deus] um dia, chegamos. Isso não significa que devemos viver por cima dos ombros, nos julgando superiores ao extremo. Significa apenas, que antes de se jogar na frente de um ônibus ''graças a'' uma decepção amorosa, deveríamos primeiro avaliar os prós e os contra desta situação, pra depois pensar em suicídio. Certamente, depois da análise, essa dor, que ora parece homérica, não passa de um ferimento ao mais profundo da nossa alma: o ego. Se você conseguir analisar dessa forma, garanto que em menos de dois dias, o que é dor, se tornará risos. Tenho certeza.
   Mas vejam bem: com tudo isso, não crio um estigma de auto-suficiente - até porque isso NÃO existe! -, e sim, que existe muito mais a se descobrir na vida do que simplesmente relacionamentos sociais. Existe muito brilho em conhecer bons lugares, bons livros e vivências, por exemplo. Conheço uma pessoa que depois de 2 ''casamentos'' destroçados, resolveu montar um haras - é, aqueles com cavalinho e tudo mais!-. Descobriu a paixão pelo campo e desde então não troca essa vida por nada. Não quer dizer que o amor não esteja  à espreita do Ricardo, mas sim, que, antes de se 'escalpelar' pelo fracasso, há muito mais a se fazer, posto que a vida dura somente o tempo em que o Nosso Senhor está de bom humor com nossos atos e omissões. E já que eu não sou uma das filhas mais boazinhas que ele tem , pelo menos penso não ser, vou dedicar a minha vida a coisas mais úteis do que simplesmente tentar convencer alguém de que sou a melhor escolha, ou que sou o ''último biscoito do pacote!''. Porque no fim das contas, você pode nem ser aquilo que o outro precisa no momento, ou para mais, ou para menos. Talvez, o momento seja mais para amizade do que para um potencial casamento a vista! Consegue alcançar a lógica do que digo?
  Encontre-se! Mais vale alguém com conhecimento próprio de causa do que um indeciso (a)  tentando se encontrar numa pessoa a qual ela nunca vai verdadeiramente se ver, posto que não somos espelhos nos relacionamentos, não vamos encontrar o nosso reflexo mas sim, vidros transparentes.
  Escrevo tudo isso entre a pausa na apostila de Licitação e a Lei 8.112. Inspirador, não?

terça-feira, 2 de março de 2010

''Casa comigo, Jude?''

 
''Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo!''
      O Levi não se imagina como pai. Acho que o medo homérico em se casar, o feriu nos demais estamentos da alma. Não sei como alguém tão sensível consegue também se privar de uma das coisas mais bonitas neste ciclo da vida, que é ''se unir'' e ''formar uma só carne!''.Há quem diga que o homem é o provedor e tem somente a função de nutrir seus ''subordinados'' com o que há de melhor dentro do que ele pode oferecer. Bobagem, não? Quem disse que homem não nasceu para ser mãe? Quem disse que homem não nasceu para amar? 
     Eu sou daquelas que acreditam na vida e no que de melhor ela pode oferecer. Acredito também que o amor está para o homem [ser humano], assim como o sexo está para os amantes: primordial! É ele quem enseja o que de melhor passamos a vida inteira a procurar. O sexo é como uma recompensa de Deus, para aqueles que decidiram se unir, formar uma só carne, e continuar o Seu legado. Pode soar como um conceito religioso e cheio de preceitos, mas eu discordo. Deus, amor, sexo, futebol, enfim. Tudo isso está proporcionalmente ligado à simplicidade, sem demagogias. E aqui não me refiro à banalidade a qual estamos intimamente acostumados a ver, como BBB,  e novelas depreciativas. Tô falando da coisa boa que é, contar com alguém, não por esse ser necessário, mas sim, por ser complemento. Passamos a ser como metades que se complementam. Viveriamos isoladamente? Sim, mas, sempre, sentindo um certo vazio inefável. Um pedaço faltoso.
    Ser pai, Levi, deve ser mais ou menos como levar o bruguelo pro colégio, e sentir um nó na garganta, por vê-lo triste, receoso, assustado com a nova vida. Mas é na escola que aprendemos a conviver com o que não temos, e isso é bom. Ser pai é ensinar o filho a torcer para o mesmo time que você, embora futebol não seja uma de suas predileções. Ser pai é ensinar, educar e principalmente ouvir. É rir, docemente, das bobagens, e corrigir, quando for necessário.
    Eu nunca fui pai, sabe? Nem tampouco mãe, mas imagino que seja ''por aí''. Um dia, quando eu for , prometo continuar esse Post, beibê!

Série: Erótica Therapy

Eu nunca quis ser freira! As roupas não me atraiam e a vida enclausurada também não. Talvez a santidade seja "praqueles" que almejam muito mais da vida do que simplesmente o 'estrelato'. E eu sou amplamente pecadora. Eu acabo me contentando com as pulseiras cheias de penduricalhos e os beijos vãos, sem verdades. Mesmo assim, vivi essa realidade casta imposta e exigida aos montes! Uma hora cansa.
Tal qual, é o amor. Uma hora cansa, caso esse, seja mantido simplesmente por satisfação alheia. Viver de farsa, viver meramente alimentando um pássaro incapaz de voar, por não ter asas.
De alguma forma, tudo é traduzido na seguite maneira: pra ser verdade, é preciso existir.Chega de dependências inverídicas, amores castos e programáveis. Eu não quero alguém que dependa de mim, mas sim, quero alguém que simplesmente me ignore enquanto eu não for o que devo ser.
Quero uma beleza estranha. Um amor desplatonizado, cheio de beijos Rimbaud's e lambidas a lá Anais Nin. Quero a intensidade da 'santa italiana' Verônica [vide foto] e quero chorar por esse amor. Quero rodar o mundo e voltar pro mesmo lugar, sem temer encontrar a ausência, posto que sei, que estará para sempre, lá! Quero o ouro, quero o brilho. Quero me despedir com olhos mareados, e voltar correndo, com um beijo de menina. Quero brigar, quero amar, quero pra sempre estar, do lado que realmente importa: o de dentro.
Não me vale de nada, estar somente ao lado, posto que é dentro que se sente. Não quero preencher o espaço de ninguém, mas, quero somente me tornar o 'bem que faz falta'. Não é pedir demais.
Se eu fosse esperta, fugiria disso. Mas eu sou tola, como os amantes espalhados por ai. Exupery já dizia que só se enxerga bem com o coração, e partindo disso, vejo então que faço certo. Concordo com ele, levando em conta que a dúvida nos faz perder tempo. Mas no momento,conviver com ela é o mais sensato.

"You are who you are
And I wouldn't want to change anything
In spite of all the pain that love can bring
Tell me what can I do?
I'm so in love with you "

Dos delitos e das penas²


  

Amar é se comprometer verdadeiramente com a única coisa que  importa nessa vida: não ter medo de ser feliz
[...]


segunda-feira, 1 de março de 2010

E num céu de estrelas...

Talvez a brisa leve, me leve...
Talvez o vento forte, me force a voltar!
Talvez o amor seja só um invento,
Talvez você seja o pedaço de alento,
Talvez eu fique!
Talvez eu vá!
Talvez eu cante aonde quer que vá,
Talvez seja só o mar,
Esse pedaço de coisa que me faz ir, sem pensar em voltar!
Não obstante, mas eu, rio!
Eu Rio, mas não você!
Talvez eu vá,
Mas talvez eu volte!
Quem sabe num golpe de sorte,
Você não me faça rir
e ir, somente aonde te cabe junto?
Talvez você seja
Talvez eu seja...
Talvez fujamos juntos
para onde as ilhas sejam só Cayman...
E quem sabe eu não te ame?
Talvez...