domingo, 3 de outubro de 2010

Jesus Cristo, Dilma Roussef e quase duzentos milhões de analfabetos funcionais

  Perder a fé nas pessoas faz parte do processo de amadurecimento. Não conheço uma pessoa sequer que tenha aprendido a arte de crescer sem ter perdido a esperança no agir correto de outrém. Faz parte do mundo.
  Faz parte também desse processo, encarar a realidade como algo inevitável e indubitável: o homem fraqueja a medida em que ele mesmo não consegue resolver. É muito fácil delegarmos responsabilidades aos outros quando nós mesmo é quem deveríamos estar a frente de toda a revolução. Hoje, dia 03 de Outubro, o país inteiro se mobiliza para enriquecer por mais quatro anos, 27 governadores, 1 presidente e outros tantos de senadores e deputados que ao longo de suas gestões, irão angariar benefícios familiares e próprios de quem recebe o título maior do poder público da união.
  Gestão significa 'ação de gerir'. Não é bem uma palavra conhecida da maioria da população,  porque a própria população fez questão de exclui-la de seu dialeto corriqueiro, por se omitir deverasmente a cada vez em que é solicitada. Vejo muita gente reclamando que governadores, presidentes e vereadores nada fazem pela contrapartida social, tão garantida pela constituinte como esquecida pelo legislativo, mas na hora em que o poder, conferido ao povo, de mudar a situação é convocado, a nação se vende por pouca coisa, ora por emprego, ora por 100 reais. Fico tentando entender até onde iremos, até onde ignoraremos candidatos a altura de um cargo máximo a presidente, como o Plínio, só porque não atende aos padrões estéticos que a maioria dos ignorantes chamados brasileiros, gostariam, enquanto uma certa senhora, garantida pelo cabresto eleitoral de bolsas, politicamente conhecida como subsídio social, perpetuará um governo de desenvolvimento, mas também de muita falcatrua e sujeira. É fato que consumamos numa democracia, terra onde decidimos o futuro de nossa nação, onde bebemos da fonte a qual muitos perderam a vida tentando instaurá-la, e graças a eles temos a chance de decidirmos o que será bom ou não para o nosso país, mas até quando pessoas medíocres, ignorantes e 'vendáveis' serão responsáveis pelo destino dos outros? Até quando veremos uma população coagida pelo coronelismo, votando a cada 4 anos? Aqui na Paraiba, a vergonha se alastra, ano após ano, eleição após eleição. Vejo muita gente com vontade de fazer, de mudar e de tentar evoluir o segundo estado com o pior índice de desenvolvimento de toda a federação, mas vejo também muita gente ignorante, que se submete a vontade de uma minoria plutocrática, que com seus carrões, sons de três andares e bandeiras coloridas, enfeitam a nossa pequena cidade de cidadãos burros e vendidos, que se corrompem por tão pouca coisa, esquecendo que no coletivo, muito mais vale se desprender de certos benefícios para que num futuro próximo, todos possam gozar daquilo que nos foi garantido pela Constituição e por Jesus Cristo rei do UNIVERSO!

Nenhum comentário: