segunda-feira, 1 de março de 2010

E num céu de estrelas...

Talvez a brisa leve, me leve...
Talvez o vento forte, me force a voltar!
Talvez o amor seja só um invento,
Talvez você seja o pedaço de alento,
Talvez eu fique!
Talvez eu vá!
Talvez eu cante aonde quer que vá,
Talvez seja só o mar,
Esse pedaço de coisa que me faz ir, sem pensar em voltar!
Não obstante, mas eu, rio!
Eu Rio, mas não você!
Talvez eu vá,
Mas talvez eu volte!
Quem sabe num golpe de sorte,
Você não me faça rir
e ir, somente aonde te cabe junto?
Talvez você seja
Talvez eu seja...
Talvez fujamos juntos
para onde as ilhas sejam só Cayman...
E quem sabe eu não te ame?
Talvez...


2 comentários:

Ковёр-самолёт disse...

poxa... esse poema representa bem a minha vida nos últimos meses...! grande poema, parabéns!

Gugu Keller disse...

O talvez é sempre a única certeza!