terça-feira, 2 de março de 2010

''Casa comigo, Jude?''

 
''Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo!''
      O Levi não se imagina como pai. Acho que o medo homérico em se casar, o feriu nos demais estamentos da alma. Não sei como alguém tão sensível consegue também se privar de uma das coisas mais bonitas neste ciclo da vida, que é ''se unir'' e ''formar uma só carne!''.Há quem diga que o homem é o provedor e tem somente a função de nutrir seus ''subordinados'' com o que há de melhor dentro do que ele pode oferecer. Bobagem, não? Quem disse que homem não nasceu para ser mãe? Quem disse que homem não nasceu para amar? 
     Eu sou daquelas que acreditam na vida e no que de melhor ela pode oferecer. Acredito também que o amor está para o homem [ser humano], assim como o sexo está para os amantes: primordial! É ele quem enseja o que de melhor passamos a vida inteira a procurar. O sexo é como uma recompensa de Deus, para aqueles que decidiram se unir, formar uma só carne, e continuar o Seu legado. Pode soar como um conceito religioso e cheio de preceitos, mas eu discordo. Deus, amor, sexo, futebol, enfim. Tudo isso está proporcionalmente ligado à simplicidade, sem demagogias. E aqui não me refiro à banalidade a qual estamos intimamente acostumados a ver, como BBB,  e novelas depreciativas. Tô falando da coisa boa que é, contar com alguém, não por esse ser necessário, mas sim, por ser complemento. Passamos a ser como metades que se complementam. Viveriamos isoladamente? Sim, mas, sempre, sentindo um certo vazio inefável. Um pedaço faltoso.
    Ser pai, Levi, deve ser mais ou menos como levar o bruguelo pro colégio, e sentir um nó na garganta, por vê-lo triste, receoso, assustado com a nova vida. Mas é na escola que aprendemos a conviver com o que não temos, e isso é bom. Ser pai é ensinar o filho a torcer para o mesmo time que você, embora futebol não seja uma de suas predileções. Ser pai é ensinar, educar e principalmente ouvir. É rir, docemente, das bobagens, e corrigir, quando for necessário.
    Eu nunca fui pai, sabe? Nem tampouco mãe, mas imagino que seja ''por aí''. Um dia, quando eu for , prometo continuar esse Post, beibê!

2 comentários:

Gugu Keller disse...

O homem não apenas nasceu para amar como precisa amar para efetivamente nascer!

GK

Adorei o termo "bruguelo"! Não o conhecia. Aqui em São Paulo nunca vi ninguém usar. Esta é uma das coisas interessantes de se trocar idéias com pessoas de outros lugares, não é mesmo?

Gugu Keller disse...

Doce amiga...
Desculpe-me por não ter dado certo ainda de conversarmos pelo msn, eu também gostaria muito... Dei uma olhada no meu, que pensei que até poderia estar de algum modo desconfigurado, já que há muito o uso, mas parece que está tudo em ordem... Todavia não apareceu para mim o aviso de que vc tenha me adicionado para eu aceitar. Não quer tentar de novo? Ou, talvez, mandar-me o teu e-mail para que eu tente daqui te adicionar? Quem sabe dá certo...
Bjs!
GK