quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Calm like an atomic bomb!


Eu confesso: tenho medo!
Tenho medo da lua escura
e da tua escusa,
Tenho medo da saudade
E medo da minha vontade!
Tenho medo de te encontrar
E medo de sonhar.
Até um dia em que
Voce me faça, nada temer!
E quando esse dia chegar
quem é que sabe?


Tenho medo da sua boca
que me beija, que me toca!
Medo das tuas caras
das tuas fantasias
e medo de você!
Vou esquecer
Vou me perder
Deixar saudade!
Não sou tão forte
Não vim do Norte
Nem da cidade.


O coração nem sempre acerta a rota
Aperta, amassa, faz de conta, enlaça!
[O sangue ferve somente ao pensar...]
E de ti, espero apenas as noites eternas
os dias frios, as tardes, as quimeras,
Posto que o medo invadiu o meu ser.
Confesso a ti todo esse tormento,
Não pretendo em nada guardar aqui dentro
O que cá fora teima por sair!

Nenhum comentário: